Lucas Pit é conhecido na internet pela sua estratégia Buy and F%$#! Isso ele já havia contado no primeiro episódio que participou do GainCast, em fevereiro de 2020, e chamou a atenção que sua estratégia ainda não tinha sido testada em uma crise que derrubasse o preço dos seus ativos de uma maneira considerável.


Primeira grande crise de PitMoney


Nosso convidado comenta que sua primeira preocupação estava em ajudar seus clientes, principalmente para que eles não vendessem suas posições em momento de pânico nos mercados mundiais. Inclusive, esse é um grande erro que muitos buy&holders filhos do Bull Market cometem: surfam bons momentos de alta, mas por nunca terem passado pelos chamados Black Swans, não sabem se comportar em momentos de crises e grandes quedas dos preços.


Motivadores do Buy&Hold


PitMoney se baseou na economia real. Ele analisou crises passadas e percebeu que o mercado estava muito mais eufórico, ou seja, perdendo muito mais preço do que o valor das empresas. Ele analisou empresas como o Banco do Brasil, que tem mais de 100 anos, Klabin que também é uma empresa centenária. O ponto em comum dessas empresas é que foram testadas pelo tempo e por diversas outras crises.


Os fundamentos dessas empresas não mudaram. Por esse motivo, a visão de longo prazo não deveria mudar. Muito pelo contrário, foi uma excelente oportunidade para aportar mais capital e conseguir trabalhar preço médio de aquisição dessas ações.


Nossos hosts, Roberto Indech e André Moraes abordaram diversos outros assuntos com o nosso convidado. Vale muito a pena conferir cada segundo desse episódio!


Para conferir a conversa completa ouça o episódio 77 do GainCast e acompanhe todos os detalhes desse bate papo.


Nosso convidado é engenheiro mecânico de formação. Inclusive, no mercado financeiro existem muitos engenheiros, será que é pela capacidade de raciocínio rápido, habilidade com cálculos e pensamento lógico? Pode ser, mas a verdade é que ninguém sabe ao certo.


William Marques morou na Alemanha por um ano e meio e teve essa oportunidade de viver fora do país por um tempo, pois trabalhava em uma empresa automotiva e foi transferido para a sede alemã.


Começo na bolsa


Ainda na Alemanha, William separava parte do seu dia para se dedicar aos estudos sobre o mercado financeiro. Com a vantagem do fuso horário, ele ainda conseguia acompanhar boa parte das negociações que estavam ocorrendo aqui no Brasil.


Por ser recém-formado, com pouco capital e pouco tempo disponível, visto que ele ainda trabalhava, William optou seguir pelos caminhos do Swing Trade.


Transição de Carreira


Muitos sonham com essa possibilidade e para William Marques essa foi uma decisão muito simples de tomar. Claro que ele se preparou, aprendeu a operar, atingiu a consistência nas operações e depois migrou de área. Muitos caem no “conto da sereia” que é mais fácil deixar tudo para trás e tentar viver de trading, mas a dura realidade é bem diferente.


Perfil Operacional


William Marques fala a respeito dos perfis operacionais e dá o exemplo de mercados em grandes amplitudes de movimento. Como por exemplo: o Day Trader não consegue “surfar” toda essa movimentação, diferente do Swing Trader, que se posiciona para o médio prazo e busca rentabilidade em maiores oscilações de preço.


Nossos hosts, Roberto Indech e André Moraes abordaram diversos outros assuntos com o nosso convidado. Vale muito a pena conferir cada segundo desse episódio!


Para conferir a conversa completa ouça o episódio 76 do GainCast e acompanhe todos os detalhes desse bate papo.


Alan Martins é irmão gêmeo do Alex Martins, que inclusive, já esteve aqui no GainCast. Será que os episódios se complementam? Alex comentou muito sobre operacional e estratégias; já o Alan focou muito na construção do mindset correto do trader, ou seja, são episódios para ouvir um atrás do outro.


Início na bolsa de valores


Nosso convidado do episódio 75 iniciou na Bolsa de Valores em 1998. Seu primeiro trabalho foi como auxiliar de Scalper no pregão viva voz. Alan ficou pouco tempo no pregão viva voz, e foi direto para a BM&F que era a bolsa de contratos futuros.


Maiores barreiras do Trader


Alan nos conta que existe uma frase que reflete muito a realidade dos traders: “O bem que eu quero fazer, eu não faço. O mal que eu não quero fazer, esse sim eu faço”. Com muitos anos de experiência no mundo dos Traders, nosso convidado afirma que a maioria dos operadores sabem racionalmente o que tem que ser feito.


Porém, a história de vida desse trader conta com experiências passadas que podem ser boas ou frustrantes faz com que crie-se gatilhos mentais errados e que vão totalmente contra ao que se deve fazer no mercado. Alan fala que as barreiras mentais são grandes inimigas do trader que busca a consistência no longo prazo.


Identificar Limites


Outro aspecto muito importante para Alan é que o trader deve impor limites, afinal, quando não sabemos para onde vamos, qualquer lugar serve. Então é necessário que o operador de bolsa saiba qual é o seu limite de loss por operação, por dia, por semana, mês e até quando é o momento de se conformar que o trading não é para você.


Nossos hosts, Roberto Indech e André Moraes abordaram diversos outros assuntos com o nosso convidado. Vale muito a pena conferir cada segundo desse episódio!


Para conferir a conversa completa ouça o episódio 75 do GainCast e acompanhe todos os detalhes desse bate papo.

toda segunda novos episódios